Orlando Furioso, por Ludovico Ariosto

orlando.jpg

Encontrei na livraria Orvil na Portela, uma pequena preciosidade, a primeira tradução integral de ‘Orlando Furioso’ de Ludovico Ariosto, acompanhado de inúmeras ilustrações lindíssimas de Gustave Doré.

Aqui há uns tempos li um pequeno resumo em inglês desta obra. Para ser sincera já não me recordo bem da história, mas na minha cabeça ficou catalogada como romance de cavalaria medieval. Pela sinopse na contracapa, descobri que é mais do que isso e fiquei mortinha por ler, para além de ser um livro visualmente muito atractivo.

doreorlando240.jpg

O problema é que é um livro bastante exigente, tanto a nível monetário (embora até não o ache excessivamente caro, para a obra que é) como de necessidade de tempo para o ler com calma e atenção…

De qualquer maneira, deixo aqui a dica :p

Visita à livraria Byblos

Finalmente consegui dar um saltinho à livraria Byblos! E devo dizer que conseguiu superar as minhas expectativas :p

Primeiro foi um bocadinho difícil dar com o sítio, porque no site da livraria não encontrei aqueles mapas muito úteis de como ir ter, assumi então que devia ser no interior do Centro Comercial das Amoreiras. Mas pelos vistos não é, tem de se dar umas voltinhas que as senhoras das informações do centro vos podem indicar (devem receber muitas vezes perguntas como a minha).

Lá dentro, a livraria é um sonho… dois andares cheios de livros, vários sofás muito confortáveis a convidar à leitura e uma música ambiente muito agradável, no volume certo…

Para além disto, é extremamente espaçosa, com diversos expositores que nos chamam a atenção para os títulos em destaque e a maneira como está organizada não é nada confusa (não cheguei foi a experimentar o famoso sistema de procura de livros, embora tenha visto vários ecrãs para esse fim).

Quanto aos títulos, houve imensos que me chamaram a atenção, primeiro li de uma ponta à outra (shame on me), um livro de BD de uma cartoonista que não conhecia e que achei delicioso (embora totalmente feminista), Maitena, de quem deixo uma das tiras (esta sobre o género de prendas que os homens costumam oferecer):

maitena-001.jpg

Depois encontrei um livro para crianças, com gravuras da Sarah Kay, que me fez recuar até a minha infância, quando a minha mãe me comprou e preencheu uma caderneta de cromos lindíssima desta desenhadora

sarah-kay-blog.jpg

Sinopse
Neste álbum, Sarah Kay dá muitos conselhos e ensina trabalhos manuais e receitas para cada época do ano. As maravilhosas personagens de Sarah Kay ilustram este livro e guiam a criança através das estações do ano.

Ao longo de um ano, Sarah Kay dá-te muitos conselhos e ensina-te trabalhos manuais e receitas que poderás partilhar com a tua mãe e até com a tua avõ.

As maravilhosas personagens de Sarah kay ilustram este livro e guiam-te através das estações do ano.” In Byblos

Apesar de no site estar marcado a 11€, na livraria estava a apenas 5€. Feita parva não aproveitei, mas amanha volto lá :p

Depois há os clássicos, uma edição do D. Quixote de La Mancha com gravuras a carvão pelo Salvador Dali, a Ilíada e a Odisseia, os livros de Jane Austen (que ando mortinha por experimentar), o Fausto…

9789722027953.jpg

9789727951185.jpg

9789727950607.jpg

9789727085552.jpg

Gostei também de ver uma secção bem destacada dedicada apenas a literatura de viagens, estilo que aprecio bastante e onde encontrei dois volumes dos famosos descobridores portugueses Capelo e Ivens, livros que fazem parte da minha lista de volumes a ter (e obviamente ler), uma vez que para além de gostar do tema em si, tive a oportunidade de lidar com algumas cartas originais quando estive aqui há uns bons anos no Programa Ciência Viva, no Herbário do Jardim Botânico da Universidade de Lisboa.

180px-capelo_and_ivens.jpg

E apesar de ser dia da semana, em horário de trabalho para a maioria das pessoas, estava bastante gente na livraria (mas não ao ponto de se tornar desconfortável) pelo que penso que este projecto tem bastante para triunfar, embora a livraria Portugal no Chiado e a Lura dos Livros em Tavira, no Algarve, continuem a ser as minhas livrarias de eleição :p

Conclusão: aconselho!

179575_b.jpg

Como já devem ter ouvido falar, a livraria Lello, no Porto, foi considerada pelo The Guardian, a terceira mais bonito do mundo. Infelizmente nunca tive a oportunidade de a ver (só fiquei a dormir uma vez no Porto, e mesmo assim acabamos por não ter tempo de ver grande coisa).

Para além desta existem outras livrarias e bibliotecas lindíssimas em diversos países. Enquanto ando num gap literário, vou deixando por aqui fotos daqueles que são, na minha opinião, alguns dos “locais literários” mais bonitos do mundo (embora só os conheça mesmo de fotos…).

486409942_31cac08fa9.jpg

caovadio12062004_2.jpg

interior_panoramica.jpg

livrarialello400.jpg

Escritor Mário Cláudio distinguido com o Prémio Vergílio Ferreira 2008

marioclaudio.jpg

Escritor Mário Cláudio distinguido com o Prémio Vergílio Ferreira 2008

“O escritor portuense Mário Cláudio foi galardoado pela Universidade de Évora com o Prémio Literário Vergílio Ferreira 2008, anunciou hoje a instituição de ensino.

O prémio, criado em 1997 para distinguir anualmente ensaístas e/ou romancistas de língua portuguesa, vai ser entregue em cerimónia pública na sala de actos da instituição, no dia 1 de Março, aniversário da morte de Vergílio Ferreira.

A atribuição do prémio deste ano ao escritor Mário Cláudio foi decidida por unanimidade pelo júri, composto pelos professores universitários José Alberto Gomes Machado (Évora, presidente), José Carlos Seabra Pereira (Coimbra), Isabel Allegro de Magalhães (Nova de Lisboa) e Elisa Nunes Esteves (Évora) e pela jornalista e critica literária Clara Ferreira Alves.

A academia de Évora homenageia Mário Cláudio como um “nome cimeiro das letras portuguesas”, lembrando que o escritor foi considerado por Vergílio Ferreira “um dos nomes mais promissores da sua geração”.

Referência da literatura portuguesa, Mário Cláudio é o pseudónimo literário de Rui Manuel Pinto Barbot Costa, nascido a 6 de Novembro de 1941.

Começou o curso de Direito em Lisboa e terminou-o em Coimbra (1966), onde viria a diplomar-se novamente, em 1973, com o Curso de Bibliotecário-Arquivista.

Com obras traduzidas em inglês, francês, castelhano, italiano, húngaro, checo e servo-croata, Mário Cláudio foi condecorado com a Ordem de Santiago de Espada e, em 2004, recebeu o Prémio Pessoa.

Nas edições anteriores, o Prémio Vergílio Ferreira foi atribuído a Maria Velho da Costa, Maria Judite de Carvalho, Mia Couto, Almeida Faria, Eduardo Lourenço, Óscar Lopes, Vítor Manuel de Aguiar e Silva, Agustina Bessa Luís, Manuel Gusmão, Fernando Guimarães e Vasco Graça Moura.

O galardão visa dar projecção e visibilidade às obras de ficção ou ensaio dos autores escolhidos e inclui uma componente pecuniária de cinco mil euros.”

in Publico

Para mais informações sobre o autor podem dar uma espreitadela aqui.

“Há cidades cor de pérola onde as mulheres” por Herberto Helder

poema-herberto-helder.jpg

V

Há cidades cor de pérola onde as mulheres
existem velozmente. Onde
às vezes param, e são morosas
por dentro. Há cidades absolutas,
trabalhadas interiormente pelo pensamento
das mulheres.
Lugares límpidos e depois nocturnos,
vistos ao alto como um fogo antigo,
ou como um fogo juvenil.
Vistos fixamente abaixados nas águas
celestes.
Há lugares de um esplendor virgem,
com mulheres puras cujas mãos
estremecem. Mulheres que imaginam
num supremo silêncio, elevando-se
sobre as pancadas da minha arte interior.

Há cidades esquecidas pelas semanas fora.
Emoções onde vivo sem orelhas
nem dedos. Onde consumo
uma amizade bárbara. Um amor
levitante. Zona
que se refere aos meus dons desconhecidos.
Há fervorosas e leves cidades sob os arcos
pensadores. Para que algumas mulheres
sejam cândidas. Para que alguém
bata em mim no alto da noite e me diga
o terror de semanas desaparecidas.
Eu durmo no ar dessas cidades femininas
cujos espinhos e sangues me inspiram
o fundo da vida.
Nelas queimo o mês que me pertence.
o minha loucura, escada
sobre escada.

MuIheres que eu amo com um des-
espero fulminante, a quem beijo os pés
supostos entre pensamento e movimento.
Cujo nome belo e sufocante digo com terror,
com alegria. Em que toco levemente
Imente a boca brutal.
Há mulheres que colocam cidades doces
e formidáveis no espaço, dentro
de ténues pérolas.
Que racham a luz de alto a baixo
e criam uma insondável ilusão.

Dentro de minha idade, desde
a treva, de crime em crime – espero
a felicidade de loucas delicadas
mulheres.
Uma cidade voltada para dentro
do génio, aberta como uma boca
em cima do som.
Com estrelas secas.
Parada.

Subo as mulheres aos degraus.
Seus pedregulhos perante Deus.
É a vida futura tocando o sangue
de um amargo delírio.
Olho de cima a beleza genial
de sua cabeça
ardente: – E as altas cidades desenvolvem-se
no meu pensamento quente.

in Herberto Helder
Lugar
Poesia Toda
Assírio & Alvim
1979

imagem por American Modernist School,
“Woman Surrounded by Buildings”,
c.1932, “J”

Produtividade nas férias…

Leitura de poemas de Francisco José Viegas, por Ricardo Araújo Pereira

mario-jose-viegas-blog.jpg

Caminhar por entre veredas

“Será o primeiro evento aqui na Casa Fernando Pessoa no ano de 2008. Pedro Mexia apresenta a mais recente recolha de poemas de Francisco José Viegas, Se me Comovesse o Amor. A leitura estará a cargo de Ricardo Araújo Pereira. Caminhada por entre veredas que são versos, e vice-versa. Dia 10 de Janeiro pelas 18h30.”

in Mundo Pessoa

Abre maior livraria do país – Byblos

byblos.jpg

Abriu nas Amoreiras, no passado dia 13 de Dezembro, a maior livraria nacional. Chama-se Byblos, tem 3300m2 e possui uma nova tecnologia de acessibilidade que permite encontrar qualquer livro com grande facilidade, assegura Américo Areal, antigo dono das Edições Asa e o senhor que idealizou e concretizou este magnifico projecto.

Para além de 150 mil títulos nas estantes, esta livraria conta ainda com um auditório, uma sala de exposições, uma cafetaria, uma área de venda de revistas e jornais, outra dedicada a CD, DVD e jogos de computador.

Quanto a vocês não sei, mas eu estou mortinha por ir averiguar 😛

Os melhores livros de 2007 pela revista Time

boktrave_web_72p.jpg

1. The Brief Wondrous Life of Oscar Wao – By Junot Diaz

2. Then We Came to the End: A Novel – By Joshua Ferris

3. A Thousand Splendid Suns – By Khaled Hosseini

4. Out Stealing Horses: A Novel – By Per Petterson

5. Tree of Smoke: A Novel – By Denis Johnson

6. House of Meetings – By Martin Amis

7. No One Belongs Here More Than You. – By Miranda July

8. Harry Potter and the Deathly Hallows – By J.K. Rowling

9. Like You’d Understand, Anyway – By Jim Shepard

10. The Post-Birthday World – By Lionel Shriver

in Time

Outros top’s curiosos da mesma revista aqui.

Os melhores livros de 2007 pelo The New York Times

10-best-600-2-blog.jpg

MAN GONE DOWN
By Michael Thomas – This first novel explores the fragmented personal histories behind four desperate days in a black writer’s life.

OUT STEALING HORSES
By Per Petterson – In this short yet spacious Norwegian novel, an Oslo professional hopes to cure his loneliness with a plunge into solitude.

THE SAVAGE DETECTIVES
By Roberto Bolaño – A craftily autobiographical novel about a band of literary guerrillas.

THEN WE CAME TO THE END
By Joshua Ferris – Layoff notices fly in Ferris’s acidly funny first novel, set in a white-collar office in the wake of the dot-com debacle.

TREE OF SMOKE
By Denis Johnson – The author of “Jesus’ Son” offers a soulful novel about the travails of a large cast of characters during the Vietnam War.

Nonfiction

IMPERIAL LIFE IN THE EMERALD CITY: Inside Iraq’s Green Zone.
By Rajiv Chandrasekaran – The author, a Washington Post journalist, catalogs the arrogance and ineptitude that marked America’s governance of Iraq.

LITTLE HEATHENS: Hard Times and High Spirits on an Iowa Farm During the Great Depression.
By Mildred Armstrong Kalish -. Kalish’s soaring love for her childhood memories saturates this memoir, which coaxes the reader into joy, wonder and even envy.

THE NINE: Inside the Secret World of the Supreme Court.
By Jeffrey Toobin – An erudite outsider’s account of the cloistered court’s inner workings.

THE ORDEAL OF ELIZABETH MARSH: A Woman in World History.
By Linda Colley – Colley tracks the “compulsively itinerant” Marsh across the 18th century and several continents.

THE REST IS NOISE: Listening to the Twentieth Century.
By Alex Ross – In his own feat of orchestration, The New Yorker’s music critic presents a history of the last century as refracted through its classical music.

in The New York Times

A lista extensiva dos 100 melhores livros de 2007 segundo este jornal pode ser consultada aqui.