“O Cisne Negro” por Nassim Taleb

9789722035873Ao contrário do livro anterior, “O Cisne Negro” de Nassim Taleb em vez de me tirar o sono, revelou-se um excelente indutor de sono :p

E pronto, realmente estou a ser injusta porque este é um livro referência para diversos intelectuais da actualidade e que de facto me fez pensar sobre várias coisas que damos como adquiridas na nossa sociedade.

E again, como é que me chegou às mãos? Aqui há tempos assisti a uma palestra muito interessante dada pelo investigador Nuno Gaspar de Oliveira num seminário da APEA sobre Green Economy, onde o orador referiu por diversas vezes o fenómeno Cisne Negro. Gostei do conceito e fiquei curiosa. Por coincidência uns dias depois encontrei o próprio livro na Ler Devagar por metade do preço e claro, não pude deixar passar a oportunidade 😉

E o que é afinal um Cisne Negro para além de uma ave estranha? Um Cisne Negro é também o nome dado a eventos que possuem as seguintes características:

“Primeiro: é “atípico”, encontra-se fora das nossas expectativas normais, porque nada que tenha ocorrido no passado pode apontar, de forma credível, para esta possibilidade. Segundo: reveste-se de um enorme impacto. Terceiro: apesar do seu caracter desgarrado, a natureza humana faz com que construamos explicações para a sua ocorrência depois de o facto ter lugar, tornando-o compreensível e previsível.” (Nassim Taleb)

O exemplo mais recente de um Cisne Negro foi o 11 de Setembro, com impacto em todo o mundo e que ninguém poderia prever (apesar de todas as polémicas pós-explicações…).

Basicamente este livro alerta-nos para a imprevisibilidade do futuro e do perigo das previsões económicas, sociais e outras, em que a nossa falta de noção de ignorância pode ter o efeito perverso de nos torna ainda mais susceptíveis ao efeito dos Cisnes Negros.

São também analisados casos em que os nossos conhecimentos teóricos contradizem as nossas atitudes praticas e do perigo da utilização indiscriminado da curva em forma de sino para a explicação de fenómenos sociológicos. Um dos exemplos mais utilizado pelo autor é o do peru, que pode fazer previsões de uma boa vida com base nos dados do passado no entanto, sem que o possa esperar, no dia 24 de Dezembro, a sua vida irá terminar abruptamente, algo que o peru em si não poderia prever, mas com um impacto definitivo. “Confundir uma observação ingénua do passado como algo definitivo ou representativo do futuro é a única e exclusiva razão para a nossa incapacidade de compreender o Cisne Negro” (Nassim Taleb)

As ideias deste livro são tão revolucionárias e tão profundamente ilustradas com exemplos que a certa altura tive de me render e passei a ler com um lápis na mão para sublinhar todas as passagens que considerava fundamentais.

A única critica que tenho a fazer é a forma tão intransigente como que o autor defende as suas teorias – desconfio sempre de teorias apresentadas como o Santo Graal. Nem sempre concordei com o autor, mas este teve o prodígio de me fazer pensar e questionar vários factos, abrindo-me os olhos para causas ocultas da crise actual que vivemos… Penso que também às vezes dispersa um pouco… sendo definitivamente a parte mais importante do livro a quarta e última. A terceira parte é um pouco técnica, o autor avisa, mas mesmo assim arrisquei e não tive grandes problemas de compreensão, no entanto, quem ler o livro pode saltá-la sem qualquer problema.

Por isso, aviso à navegação, se quiserem fazer um brilharete e deitar abaixo 90% das conversas pseudo-intelectuais em que se possam ver envolvidos, leiam este livro 😉

P.S.: Também resulta para casos graves de insónias! Lol

Em jeito de en core, aqui ficam momentos brilhantes do livro, que merecem ser divulgados:

“Para se ser executivo não é necessário possuir lobos frontais muito desenvolvidos, mas uma combinação de carisma, capacidade de conter o tédio e capacidade de manter um desempenho superficial sob o peso de uma agenda violenta”

“Serendipidade (…) encontra-se algo que não se procurava e que muda o mundo, e interrogamo-nos, após a sua descoberta, por que razão ‘se demorou tanto tempo’ a chegar a algo tão óbvio”

“Prova Silenciosa – um certo Diágoras, não crente nos deuses, foi confrontado com umas tábuas de pedra onde haviam sido pintados os retratos de um grupo de adoradores que rezaram e sobreviveram a um naufrágio. O que estava subentendido neste gesto era que as orações protegem os homens do afogamento. Diágoras perguntou:’ Onde estão os retratos dos homens que rezaram e se afogaram’”

“Qualquer pessoa que prejudique alguém com as suas previsões deveria ser tratado ou como um irresponsável ou como mentiroso. Alguns destes analistas são mais nocivos para a sociedade do que os criminosos. Por favor, não conduza um autocarro escolar com os olhos vendados”

Advertisements

1 Comentário

  1. Julho 5, 2014 às 1:26 pm

    I absolutely love your site.. Excellent colors & theme. Did you create this website yourself? Please reply back as I’m attempting to create my very own blog and would like to find out where you got this from or just what the theme is named. Many thanks!|


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: